Várias pessoas passam o dia nas calçadas consumindo pinga.

A ESQUINA DOMINADA PELA CACHAÇA

A cena já se tornou comum para quem passa com freqüência pela região do Asilo, no Bairro Aparecida. Desde cedo até o anoitecer, várias pessoas se esparramam pelas calçadas fazendo uso de pinga. A maioria dos usuários está constantemente alcoolizada, alguns até com delírios por conta dos efeitos do álcool. Para manter o vício e conseguir dinheiro, abordam pedestres, param veículos, e perturbam os moradores das casas nas proximidades. Mas nas últimas semanas a situação se agravou ainda mais; nas redes sociais relatos de pessoas indignadas, denunciando uma total falta de respeito. Alguns bêbados estão urinando no muro do asilo, e andando pela esquina com as partes íntimas à mostra, constrangendo várias pessoas que passam, moram ou trabalham no local. As denúncias foram tantas, que na tarde dessa terça-feira a Polícia Militar realizou uma operação na esquina, abordando os freqüentadores. No dia seguinte apenas alguns deles estavam na calçada, mas aos poucos foram voltando, e nessa sexta-feira a situação continuava da mesma forma. Um problema que já se arrasta por décadas, e que deu à esquina o famoso nome de “Pé de Manga”. Era ali, debaixo de uma grande mangueira, que aconteciam os aquecimentos para o Carnaval, com muito consumo de bebida alcoólica. Com o passar dos anos, a folia acabava, mas alguns passaram a ficar de forma definitiva na esquina. Muitos têm casa, mas passam o dia todo na rua, parecendo andarilhos, com as roupas sujas, e aparentando até problemas de saúde. As doenças mais comuns causadas pelo álcool são: Gastrite, Hepatite ou cirrose hepática, Impotência ou infertilidade, Infarto e trombose, Câncer, Pelagra, Demência, Anorexia Alcoólica.
De acordo com o tenente Montijo, da Polícia Militar, as batidas policiais são realizadas com freqüência naquela região, mas segundo ele o problema é mais uma questão social e de saúde, do que de segurança pública, explicando que não tem como simplesmente retirar os usuários das ruas. O registro que pode ser feito é o de perturbação de sossego, o que exige a identificação do denunciante para a formalização da ocorrência.
O secretário de Saúde, Lucas Lasmar, disse que o município vem tentando resolver a situação. Recentemente foi retirado o passeio central, onde os usuários estavam fazendo fogueiras durante á noite. Segundo ele, muitos se recusam a passar por atendimento médico, ou mesmo conversar com as agentes de saúde. A grande maioria já recusou por diversas vezes a internação, o que dificulta muito a retirada dos usuários das ruas. “A situação é a pior possível. A Prefeitura não consegue obrigar a pessoa a manter o tratamento no CAPS. A gente marca as consultas e eles não aparecem, não querem tratamento. Já foram deixados de lado até pela família e sem o apoio dos parentes todo esse processo de recuperação fica comprometido”, explicou. Lucas disse que irá solicitar as imagens das câmeras de segurança do Asilo, e denunciar os excessos á Polícia Militar tanto na perturbação de sossego quanto do atentado violento ao pudor.
A coordenadora do CRAS Sul, Camila Laguardia, que trabalha na sede a poucos metros da esquina do asilo, explica que já foram feitas todas as formas possíveis de abordagens, inclusive com o acompanhamento das famílias. No entanto, todos os freguentadores do local, que inclusive são pacientes do CAPS AD, se recusam a fazer o tratamento. Dificultando qualquer tipo de ação da área social.

Outras Notícias

PINTURAS DE IMAGENS NA CIDADE

A Prefeitura Municipal de Oliveira realizou essa semana, a pintura de duas importantes estátuas sacras instaladas em ...

PONTE INUNDADA NO BARRO PRETO

Com a chuva na tarde dessa sexta-feira (17), caída sobre Oliveira, vários pontos da cidade ficaram alagados. Nossa re...

ATENDIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS

De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Saúde de Oliveira, o 7º Batalhão do Corpo de Bombeiros recebeu 371 ...

BEZERRO SOLTO NO CENTRO DA CIDADE

Essa semana mais um bovino foi visto andando pelas ruas do centro de Oliveira. As reclamações de moradores e comercia...